Livaningo capacita mulheres em áreas técnico-profissionais

0 Comments

No âmbito do projecto “Aceleração da Prevenção e Resposta a Violência Sexual baseada no Género e aos Casamentos Prematuros de Raparigas Adolescentes e Mulheres Jovens em Moçambique” integrado à iniciativa Spotlight em parceria com a ONU Mulher, implementado pela Livaningo, nos distritos de Mogovolas e Angoche na província de Nampula, 64 mulheres e raparigas beneficiaram de cursos profissionalizantes como carpintaria, canalização, electricidade, culinária e costura.

A iniciativa que integra 32 raparigas do distritos de Angoche e outras 32 do distrito de Mogovolas, visa melhorar as habilidades e competências de mulheres e raparigas, através da integração em treinamento vocacional em profissões tidas como masculinas e assegurar kits iniciais para o empreendedorismo.

A coordenadora do projecto, Berta Membawaze, explicou ao Savana que, a Livaningo selecionou algumas beneficiárias em cada grupo, mediante o seu plano de negócio e habilidades. “Para esta primeira fase, selecionamos apenas cinco cursos profissionalizantes: carpintaria, canalização, electricidade, culinária e corte e costura”, disse Berta que acrescentou que cada beneficiária após concluir o curso vai receber um kit estimado em cerca de 30 mil meticais para iniciar o negócio.

Membawaze espera que com os cursos profissionalizantes mais mulheres possam buscar e ter alguma independência financeira e possam por essa via, assegurar a sua autonomia e maior poder de decisão sobre as suas vidas.

Por sua vez, Saraiva Chicumule, delegado do Instituto de Formação Profissional e Estudos Laborais Alberto Cassimo (IFPELAC) em Nampula, mostrou-se satisfeito em trabalhar com o grupo de mulheres selecionadas pela Livaningo, uma vez que, “a função do IFPELAC é de prover formação profissional para os jovens, mas com a pandemia são poucas as pessoas que aderem os cursos prossionalizantes. Então, o trabalho da Livaningo neste sentido tem sido fantástico e satisfaz os anseios da IFPELAC e das beneficiárias”, considerou Saraiva que pede que a iniciativa se estenda para outras províncias.

Fátima Adamugi, de 19 anos de idade, decidiu como poucas mulheres abraçar a profissão de mecânica de motos. “Estou grata pela oportunidade de aprender a saber fazer, porque com a profissão de mecânica creio que poderei ajudar a sustentar a minha família que tem dificuldades para garantir refeições diárias”, afirmou Fátima que entende que o projecto Spolitgh ajuda muitas mulheres a sairem da pobreza absoluta. Camila Carlos, órfã de pai, espera que com o curso de electricidade tenha possibilidade de garantir um emprego no futuro: “Escolhi este curso tido como masculino porque mulheres a trabalharem como electricistas e isso me inspirou. Espero encorajar outras raparigas a seguirem pelo mesmo caminho”, disse.

Aprender a fazer e ter um valor para investir num negócio sempre foi um sonho da jovem Inês Molide, de 22 anos de idade e mãe de uma filha. “Com esta formação de culinária, espero montar um take away para confecionar boa comida e ser uma referência na cidade de Angoche”.

No distrito de Mogovolas estão integradas 16 raparigas nos cursos de pastelaria, 9 no curso de serralharia e 7 de electricidade e em Angoche estão integrados 6 raparigas no curso de pastelaria, 10 no curso de electricidade, 8 em corte e costura e 8 em mecânica de motociclo.

Para a implementação desta iniciativa nas comunidades dos postos admnistrativos de Aube, Namitoria, Namaponda e Angoche Sede (distrito de Angoche) e Nametil, Luluti, Nanhupo Rio e Muatua (distrito de Mogovolas, a Livaningo tem contado com o inestimável apoio das instituições governamentais locais e provinciais de Género, Criança e Acção Social, Actividades Económicas, Gabinete de Atendimento à Família e Menor Vítima de Violência (GAFMVV) e Instituto de Formação Profissional e Estudos Laborais Alberto Cassimo (IFPELAC).

O projecto que pretende beneficiar directamente cerca de 1200 mulheres nos distritos de Angoche e Mogovolas, integra também mulheres e raparigas em cursos profissionalizantes como carpintaria, canalização, electricidade, culinária, corte e costura o qual disponibiliza kits de iniciação de negócios para cada uma dentro da sua área de formação. O programa que tem a duração de sete meses, prevê igualmente criar e fortalecer seis associações ou cooperativas de mulheres e raparigas através da avicultura comercial e instalar 150 agentes de serviços financeiros móveis.

Leave a Comment

Your email address will not be published.