“Agora já sei que sou uma pessoa capaz”

0 Comments

O infortúnio da deficiência bateu-lhe a porta quando tinha apenas 6 anos de idade e aos longos dos seus 19 anos de vida teve que lidar com discriminação no seio familiar, na escola e na sociedade no geral. “Tudo piorou quando perdi meu pai com 9 anos de idade”, lembra com uma certa nostalogia, Fanuel Ngovene, residente no bairro Nhocane, na vila sede do distrito de Chibuto, província de Gaza.

Ngovene vive com avô materna e a tia. Desde cedo debate-se com o estigma da deficiência. Até há bem pouco tempo, abraçava o ócio e o desespero. Contudo, segundo conta, tudo mudou quando o projecto “Juntos Pela Inclusão”, financiado pelos Amigos da Terra da Noruega e implementado pela Livaningo, chegou a Chibuto para acender as esperanças de pessoas esquecidas pela sociedade.

“A minha vida começou a mudar para o melhor quando entrei neste projecto (Juntos Pela Inclusão), porque além da descriminação, sentia-me impotente e incapaz de fazer qualquer actividade, embora tivesse sonhos mas a Livaningo ajudou-me resgatar os meus sonhos e acreditar no meu potencial. A cada formação sentia-me capaz de fazer um negócio, ter uma fonte de renda e muitas outras coisas”.

Fanuel Ngovene conta que quando recebeu o kit de pequenos negócios que é feita em forma de empréstimo pela Livaningo, teve bons resultados no início, mas depois teve que parar com o negócio porque a pessoa que lhe apoiava e acompanhava as vendas voltou às aulas.

“Como tenho sérias dificuldades para deslocar-me, e, notando que não devia ser sempre dependente, tomei atitude e fui ao município requerer o espaço no mercado Municipal de Chibuto para que pudesse ter um lugar fixo para vender, evitando deslocar constantemente. Felizmente, fui atribuído o espaço e comecei a vender. Espero duplicar os lucros e fazer a devolução do empréstimo do kit”, contou.

Fanuel conta ainda que, depois das formações decidiu ingressar pela primeira vez, no grupo de poupança e crédito rotativo e já tira vantagens, porque “uma vez guardado o dinheiro, não pago taxas de levantamento, não percorro longas distâncias e ainda posso pedir emprestado o valor em caso de dificuldade. Tenho poupado a cada domingo, ,cerca de 100 a 150 meticais, para que no final do mês, consiga juntar no mínimo 400 a 550 meticais.

Leave a Comment

Your email address will not be published.