Mulheres mulheres e raparigas das zonas afectadas pelos conflitos armados em Chibuto ganham iniciativas de negócio

0 Comments

No âmbito do Empoderamento Económico para Mulheres e Raparigas das Zonas Afectadas pelos Conflitos Armados”, integrado à iniciativa “Promovendo a Participação Efectiva de Mulheres e Raparigas na Paz, Segurança e Recuperação em Moçambique”, liderado pelo Ministério de Género, Criança e Acção Social (MGCAS) em parceira com a ONU Mulheres, com o apoio financeiro do Governo da Islândia e o Governo da Noruega, implementado pela Livaningo, nos distritos de Chibuto e Chigubo na província de Gaza, 400 raparigas receberam kits de cursos técnicos profissionais tais como culinária, corte e costura, serviços financeiros móveis, avicultura, pequenos negócios, etc.

A coordenadora do projecto, Berta Membawaze, explicou que, o principal objectivo destas formações é de criar condições para que as raparigas tenham seus próprios negócios e por via disso, melhorar as suas condições de vida graças a sua inserção no mercado de trabalho. A Livaningo diz que selecionou algumas beneficiárias em cada curso, mediante o seu plano de negócio e inclinação profissional. “Esperamos ver alguma diferença na vida individual ou colectiva dessas mulheres. Que possam mudar de certo modo a economia das suas famílias e do distrito”, disse Berta.

No acto da entrega de kits de auto emprego, que teve lugar em Chibuto, o administrador local, Sérgio Moiane disse que o programa “meu kit, meu emprego” visa ajudar as raparigas a serem patronas de si próprias. “Queremos mostrar a nossa satisfação pelas mulheres que vão beneficiar de 55 kits de negócios. É uma grande oportunidade, cada beneciária recebeu conforme as suas habilidades. Este projecto mostra que as mulheres são capazes e inspira ‘um kit, um emprego’. Queremos pedir acima de tudo, que valorizem estes produtos. Sabemos que foram capacitadas em várias matérias. Aumentem os números nos grupos de poupança, rentabilizem o projecto. Por fim, queremos agradecer aos mentores desta iniciativa por escolher o distrito de Chibuto”, considerou.

Por sua vez, Constantino Júnior, representante da ONU Mulher em Gaza, sublinhou que a iniciativa visa emponderar economicamente a mulher em todos os sentidos. “Estamos aqui para testemunharmos o começo de uma nova fase de vida das nossas beneficiárias, formadas e equipadas com um kit, meu emprego e acreditamos vai ajudar a reduzir os efeitos de conflitos armados na mulher e rapariga”, referiu Constantino que entende que o projecto visa facilitar e potenciar mulheres vítimas de conflito armado e criar condições mínimas para o seu auto sustento.

Rita Macamo, representante das beneficiárias, mostrou-se feliz por ter sido uma das contempladas pelo projecto meu kit, meu emprego. “Somos exemplo e a luz de outras mulheres em relação ao saber fazer, por isso, comprometemo-nos a levar em frente os nossos sonhos e a encorajar outras raparigas a não deixarem-se levar pelas adversidades da vida”.

Menor de idade que desde cedo viu-se na contigência de cuidar de uma mãe tetraplégica e quatro irmãos novos, Nádia Mondlane, residente na localidade de Malehice, em Chibuto, assegurou que antes da ajuda do projecto, não fazia nada e não tinha fonte de rendimento. “Felizmente, agora tenho um negócio que vai garantir o sustento da família”, frisou Nádia de 17 anos de idade, que beneficiou de uma formação em serviços financeiros móveis e kits de Mpesa”.

O projecto que pretende beneficiar directamente cerca de 800 mulheres nos distritos de Chibuto e Chigubo, integra mulheres e raparigas vitimas de conflito armado e vulneráveis.

Leave a Comment

Your email address will not be published.

Abra o chat
Olá, posso ajudar?
Olá
Podemos ajudar?